sábado, 7 de fevereiro de 2009

Textos para próxima aula, dia 14/02

Fundamentos epistemo-metodológicos da educação ambiental
Sônia Maria Marchiorato Carneiro

RESUMO
As relações sociedade-natureza são contextualizadas a partir das analogias orgânica e mecânica ao foco de uma epistemologia ambiental, frente à crise civilizatória no mundo ocidental; nessa linha, o paradigma da complexidade fundamenta a superação das ambigüidades do desenvolvimento sustentável em prol de uma apropriada sustentabilidade socioambiental e, pois, possibilitando práticas de Educação Ambiental criticamente orientadas por uma nova pedagogia do conhecimento, com implicação de novos saberes e construção de novas relações entre pessoas, sociedade e o meio natural, sob uma Ética da Responsabilidade.

Palavras-chave: relações sociedade-natureza; epistemologia ambiental; educação ambiental.

Para ter acesso ao artigo completo, clique aqui http://www.scielo.br/pdf/er/n27/a03n27.pdf



Aspectos Políticos e Pedagógicos da Educação Ambiental no Brasil: um convite à reflexão
Carlos Frederico B. Loureiro

RESUMO
No presente artigo analiso o processo de institucionalização da Educação Ambiental no Brasil e as implicações políticas e pedagógicas de abordagens teórico-metodológicas que a compõe, posicionando-me no campo crítico.
Considerando as múltiplas nuances conceituais e a historicidade dos acontecimentos, o contraponto analítico é estabelecido entre a perspectiva emancipatória ou crítica, baseada em pedagogias libertárias e histórico-críticas, no método dialético e na teoria da complexidade, e a perspectiva conservacionista, fundamentada na pedagogia de projetos ou nas pedagogias de cunho comportamental, no pragmatismo e na teoria de sistemas. Com isso, sinalizo para a necessidade de reconhecimento da Educação Ambiental como campo de saber plural, dinâmico e conflituoso nas proposições e ações dos agentes sociais envolvidos e para a compreensão do que representa a incorporação de determinados posicionamentos diante dos desafios que os educadores ambientais se colocam. Por fim, reafirmo a especificidade da Educação Ambiental na prática educacional e sua pertinência para a concretização de um distinto patamar societário na natureza.

Para ter acesso ao artigo completo, clique aqui
http://www.sesc.com.br/services/

Crítica ao fetichismo da individualidade e aos dualismos na educação ambiental
B. Loureiro

RESUMO
No presente artigo estabelecemos a crítica a duas categorias recorrentes em Educação Ambiental, tanto em termos práticos quanto discursivos: o fetichismo da individualidade e os dualismos escola-sociedade, linguagemtrabalho.
À luz de um referencial teórico inserido na tradição dialética emancipatória, problematizamos os limites e as implicações pedagógicas de tais categorias no fazer educativo ambiental. Com isso, sinalizamos para a necessidade de maior reflexão e debates acerca do que representa a incorporação de certos posicionamentos a-históricos e não-dialéticos, apesar de por vezes relacionais, diante dos desafios e finalidades que os educadores ambientais historicamente se colocam. Por fim, reafirmamos a pertinência do método dialético marxiano, quando se tem por objetivo a construção de uma Educação Ambiental baseada na compreensão complexa e contextualizada da realidade e focalizada na superação das relações sociais estabelecidas no capitalismo, como caminho para a concretização de um novo patamar societário na natureza.

Palavras-chave: Educação Ambiental; fetichismo; dualismo; crítica; dialética
emancipatória.

Para ter acesso ao artigo completo, clique aqui
http://www.scielo.br/pdf/er/n27/a04n27.pdf

Os dois textos que estavam faltando:
Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental; cap. 4 (pág. 79 a 88)
Carlos Frederico B. Loureiro
Pensamento Complexo, Dialética e Educação Ambiental; cap. 1 (pág. 15 a 27)
Mauro Magalhães

Boa leitura!




10 comentários:

  1. Olá, não consegui abrir os links acima, relacionados aos seguintes textos:

    Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental;
    Pensamento Complexo, Dialética e Educação Ambiental.

    ResponderExcluir
  2. Olá Giovanna!

    O problema foi solucionado. Desculpe qualquer transtorno.

    Aproveito para informar que os textos se encontram também disponíveis nas copiadores do C.E. e do CFCH.

    Boas leituras e até o próximo encontro.

    ResponderExcluir
  3. SINCERAMENTE, ESTES TEXTOS ESCANIADOS SÃO FAVORECEM EM NADA A NOSSA LEITURA. POR FAVOR FACILITEM A NOSSA LEITURA.
    GRATA

    ResponderExcluir
  4. Obrigada!
    Seria mais interessante, que os textos fossem disponibilizados nas copiadoras, no sábado anterior à aula que iremos utilizá-los, pois moro longe, trabalho longe, não tenho tempo durante a semana de ir na UFPE tirar cópias.
    A título de conhecimento, o curso de especialização em Educação de Jovens e Adultos, disponibilizará cópias para cada aluno, dos textos que serão trabalhados, no sábado anterior. Penso que seria muito interessante que vocês "copiassem" essa idéia!

    ResponderExcluir
  5. Olá Anônimo!

    Eu não entendi bem o que você quis dizer com "facilite nossa leita". De qualquer forma, vamos tentar melhorar a qualidade do material escaniado. Mas vale relembrar que os mesmos textos presentes na internet, foram disponibilizados nas copiadoras do CE e do CFCH.

    Olá Giovanna!

    Cada curso tem seu método de trabalho. Embora essa prática da Especialização em EJA seja muito boa, os nossos professores, em sua maioria, possuem uma dinâmica mais flexibilizada, ou seja, a construção do planejamento se dá de acordo com a dinâmica das aulas. Mas vou lançar a sugestão para Vantuil e Petronildo.

    ResponderExcluir
  6. Pessoal, nós estamos num curso de PÓS GRADUAÇÃO, uma especialização latu-senso. Nem mesmo num curso de graduação os professores ficam dando textos na boquinha dos alunos. Está claro que o pessoal do curso se desdobrou para botar o material na internet e nas xerox. A gente tem mesmo é que se virar para conseguir as coisas. É impossível atender as necessidades de cada um.

    Quem não conseguiu tirar cópia, paciência... acho que as chances foram dadas, inclusive para quem não queria gastar nem mesmo gastar dinheiro. Pois baixando os textos da internet, foi meu caso, eu economizei nas cópias. Desde de terça estou com todos eles em meu computador.

    Esse curso não vai adiantar se a gente não se esforçar. A oportunidade de fazer uma especialização na UFPE é uma chance de ouro. E cada um de nós está aqui por que quer, temos de fazer nossa parte!



    Asa: Sam

    ResponderExcluir
  7. Concordo com algumas colocações suas SAM, temos uma oportunidade excelente, estudando na UFPE, mas se no mesmo departamento (de educação) existe um grupo que pratica uma metodolgia interessante, facilitando o acesso aos textos, vale deixar a dica; tendo em vista que a Secretaria de Educação disponibilizou verba para isso, então a UFPE deve resolver de uma maneira mais correta e satisfatória para todos.
    Isso é bem diferente de um curso de especialização latu-senso, feito em particular, em qualquer universidade, com financiamento próprio.

    Em relação ao esforço pessoal, nós devemos sim, nos esforçar participando das aulas, estudando, debatendo e nos comprometendo em aplicar de maneira correta o que vamos aprender. Mas essa questão de baixar textos ou copiá-los, não implica em "esforço", e sim numa prática de quem paricipa de qualquer curso.

    ResponderExcluir
  8. Maria do Carmo Silva4 de março de 2009 16:12

    Foi muito proveitosa a aula do último sábado dia(28.02.09), espero que muita outras se repitam para ampliar ainda mais o meu senso critico. Tenho certeza do esforço de vocês para que isso aconteça. Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Que programa de índio foi a excursão do último sábado (18/04/09).Os transtornos que houveram, poderiam ter sido evitados se a mesma tivesse sido cancelada por motivo das chuvas. Da próxima vez, sejam mais prudentes.

    ResponderExcluir
  10. ...ESSE BLOG TÁ MUITO PARADO, PARECE QUE O CURSO JÁ TERMINOU...

    ResponderExcluir